PalenaDuran
   
BRASIL, Sudeste, Mulher, Arte e cultura, Cinema e vídeo
Histórico
Outros sites
Brinde Sulfúrico
Naiman
Fábio Metzger
VoceeoqueVoceOuve
Suburbano Convicto
Lelê Teles
Café d'avó
Pya Lima
Naja Cuspideira
blog da Eliana Castanho
Site Geração Editorial
Artur CarNavalha Gumes
Joana Flor
Girasonhos
Juliana Amato
Vanessa Aragão
Tiago Feliziani
Bruta Flor do Querer
SemPontoFinal
Olympio de Azevedo
Fernando Chuí
Pablo Nacer
Fotos Felipe Baenninger
Imã Foto Galeria
BANGA BligBlogBlug
Digestivo Cultural
Ana Claudia Calomeni
Bia Clark
Eliana Castanho Sonhos Sonhados Acordados
Paulo Ito Fotolog
Antijornalismo
Elaine Grecco
Luciana Penna

Votação
Dê uma nota para meu blog

 


Ode às cerejas

Ph Palena Duran

Ode às cerejas

04 é janeiro e 2010

 

 

 

Noite vinho e lábios ressentidos e descender. Ele em busca de ingredientes ambiente. Agora. Quando.

É preciso delicadeza às pitadas de temperos. Existem medidas calculadas para algumas receitas, o ponto não estragado no gesto. Então a colher de chá encosta-se nalgum canto da pia e assiste a concavidade das mãos. Minguado médio maior entre dedos na pele dobrada. Natural tessitura.

Além, o secreto genuíno hoje.

Há mãos em dedos e dedos em mãos e ritmos incidentais no capricho dos sabores. O pedestal imaginário. A ilusão e o sentido e a equação entre cor e forma e o bendito que se proclama. Harmonia entre fome e sede e ânsia e a gravidade nos movimentos uniformes e variados. Acarinham-se as queixas e os cansaços nos glóbulos de cada um aos seus acontecidos e alentos e desenganos pedestres nos corredores do tempo.

Logo invento desponta.

De casca a casca roçar e soar aos ombros menos curvados do toque de alvorada ao de recolher. Pasta. Molho. Cebolas. Corta bem fininho, cuidado com a faca, e não esfregue os olhos. Ao arder. Água fria, meu bem.

E ele busca o vinho e o limão para o drinque, mais queijo ralado e mais... Vai à frente da preguiça ou da fome esquecida da poesia. E sabe lá que bicho pode vir daqui a pouco quando ela acordar olhos-de-boi engrossados e agravados por contar com.

Tem fomes em fomes e fomes e fomes na gente.

E vaza o haver de menos no talho das cebolas. Lembra? Lembra, lembra. Daí leva o telefone, já que de orelhões ou gentilezas, carência. Ah, e também o guarda-chuva em caso que. Afinal, dorme leviandade em prenúncio de. Aguaçal.

E à fúria repentina, agora é mais.

(...)

É...? Tá, então vai sem, ei, olha, vais perder o elevador.

(...)

É. O apetite berra montanhoso, vai logo.

(...)

Ah, lembrei...

(...)

Já foi. Às cebolas, então.

                                                 E agora era. E agora sendo.

 



Escrito por porque escrever é preciso às 14h01
[] [envie esta mensagem] []


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]