PalenaDuran
   
BRASIL, Sudeste, Mulher, Arte e cultura, Cinema e vídeo
Histórico
Outros sites
Brinde Sulfúrico
Naiman
Fábio Metzger
VoceeoqueVoceOuve
Suburbano Convicto
Lelê Teles
Café d'avó
Pya Lima
Naja Cuspideira
blog da Eliana Castanho
Site Geração Editorial
Artur CarNavalha Gumes
Joana Flor
Girasonhos
Juliana Amato
Vanessa Aragão
Tiago Feliziani
Bruta Flor do Querer
SemPontoFinal
Olympio de Azevedo
Fernando Chuí
Pablo Nacer
Fotos Felipe Baenninger
Imã Foto Galeria
BANGA BligBlogBlug
Digestivo Cultural
Ana Claudia Calomeni
Bia Clark
Eliana Castanho Sonhos Sonhados Acordados
Paulo Ito Fotolog
Antijornalismo
Elaine Grecco
Luciana Penna

Votação
Dê uma nota para meu blog

 


PH Avani Stein

in: http://www.imafotogaleria.com.br/galeria/

Novembro é outro. Na esperança de sê-lo, coincidentemente aqui na folha em que escrevo é 1º de maio. E as energias vitais rondam por aí, no trabalho, na labuta da lapidação diária, nessa estranha força de querer. Menos abstrata ou genérica, então, agora repousarei minhas armas inúteis. Vou me harmonizar com a natureza, confiar na semeadura, plantar as idéias, os ideais, em solo terreno. Tudo bem, deixa as quedas na memória sem mágoa.

Adelante, cariño, porque cambia, todo cambia (...). Na segunda noite, a atmosfera noturna cambia. Hay pájaros, periquitos e outros, um rádio distante, o amanhecer refletido na parede azul de uma nova janela. Daqui se reconhecem sons, quisemos, queríamos fugir do ruído e cá estamos. Escuta-se, escutamos. Escuto teu sono desmaiado sobre a cama, imagino a entrega, amo.

Rendo-me, chega de lutas inglórias, indóceis. Basta. Amo-te na pele e na fantasia, confesso o arrepio que me causas. Teus olhos pequenos de cílios desenhados que me atingem fulminantes e aos poucos. Feito a vela aqui defronte, à vela, em navegação. Crisântemos pedem água e tua boca me chama. Começa por aí, no beijar, o intuitivo, o tátil, a oralidade sem alfabeto. O calor preciso na medida do indizível.

Amo simplesmente como desconheço. Nunca antes e sem depois de você. O sino, um anúncio. Anuncio que não mais atiro e, sim, entrego, sem mais fugas, fico contigo.


Palena Duran

leia mais em http://banga.zip.net



Escrito por porque escrever é preciso às 16h03
[] [envie esta mensagem] []


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]